Fluminense ou Papa-goiaba?

Uma coisa que me irrita profundamente é a distinção que se faz entre o gentílico dos indivíduos nascidos no estado do Rio de Janeiro. Tudo bem que temos que levar em conta que aqui a separação idiota entre estado e o distrito federal no passado deve ser levada em conta, e isso marcou para sempre essa mentalidade. O estado do Rio de Janeiro é o único em que a palavra que designa a natureza do cidadão é marcada pela qualidade da cidade capital do estado e não a do estado todo. O que aconteceu no estado do Rio foi o contrário dos outros estados. Aqui a designação dos nascidos na capital é mais presente no imaginário coletivo do que o do próprio estado. Não é raro ouvir que os nascidos no estado sejam classificados como cariocas -principalmente na visão de pessoas de outros estados, que acham que todos nós somos cariocas, quando na verdade, somos fluminenses.
Niterói vista da serra (Foto: Radar Fluminense)
É uma tarefa em vão explicar para parentes  e amigos de outros estados a diferença porque mesmo assim eles vão dizer que você é carioca. Aqui vão alguns exemplos do que estou falando: em São Paulo, são todos paulistas (quase ninguém se refere aos paulistanos, marca daqueles que nascem na capital); em Minas são todos mineiros (ou você já ouviu alguém falar que é belo-horizontino?); no Rio Grande do Sul são todos gaúchos (se você chamar alguém de Porto Alegre de porto alegrense vão achar que você está tentando diminuí-lo); no Espírito Santo são todos capixabas (acho que nem eles sabem que existem os vitorienses: naturais de Vitória); na Bahia é tudo baiano (o soteropolitano, de quem nasce em Salvador, não rima com o axé!); em Goiás são goianos (ninguém faz questão do goianiense); na Paraíba são paraibanos (pessoense, da capital João Pessoa, é, no mínimo, estranho) e por aí vai. São vários exemplos. Enquanto que nos demais estados não se percebe essa distinção ou aonde ela não é tão exacerbada, aqui ela ainda é marcada como uma distinção econômico-social. O adjetivo carioca é a marca do playboy, do malandro que vive na praia. Já o fluminense ganhou até sinônimo de jeca: o papa-goiaba. O papa-goiaba é o caipira que vive na roça, inocente e humilde. Essa é a minha interpretação, apesar de não ter nada contra o papa-goiaba
(mas não esperem que o Radar Fluminense se chame Radar Papa-Goiaba! rs rs) avalio que ele é uma designação pejorativa e carregada de preconceitos. Quer fazer um teste? Chame um carioca de papa-goiaba e você vai ver. Mesmo que ele não goste é o dicionário que prova que esse adjetivo diz respeito àqueles que nascem em qualquer cidade do estado do Rio de Janeiro.

18 Comentários

Os comentários aqui publicados não refletem a opinião do blog, sendo de integral responsabilidade de seus autores.

  1. Eu ouvi falar, há um tempo, que "papa-goiaba" se refere apenas aos que nasceram em cidades que ficam entre Niterói e Campos, só não me lembro o porquê.

    Eu acho que este termo não deve se referir a quem mora em Barra Mansa, por exemplo...

    Outra complicação é que já existe o Fluminense, time de futebol. Então, ser chamado de fluminense, para os mais ignorantes, pode soar como uma ofensa, caso sejam outro time...

    Justamente por essa qualificação de "carioca = playboy de praia" que eu abomino essa denominação. Ainda prefiro dizer que sou gonçalense, ou, em último caso, fluminense.

    OBS.: É "axé"! rs

    ResponderExcluir
  2. Realmente isso é verdade. No imaginário popular o papa-goiaba era aquele nascido no antigo estado do Rio - que tinha Niterói como Capital e que se ligava politicamente muito mais ao Norte, Noroeste fluminenses, Região dos Lagos e Serrana do que ao Sul Fluminense. Mas é o dicionário que diz que essa é a alcunha sinônima de 'fluminense'. Essa foi a inspiração para o post, a "demarcação social" que distingue muito bem o capiau do malandro carioca. Coisas típicas da "elite"...

    ResponderExcluir
  3. Obs. Quanto a nominação "papa-goiaba" foi o adjetivo, equivocadamente, adotado pelo dicionarista,pois os nascidos no antigo Estado da Guanabara é que se chamavam "Cariocas". Quanto a "Fluminense" era a nominação dos nascidos da Baixada Fluminense para o Sul Fluminense. Já aos nascidos de Niterói a Campos denominava-os de papa-goiaba. O dicionarista é que é leigo em assuntos dos naturais do Rio de janeiro.

    ResponderExcluir
  4. Canário, a naturalidade dos nascidos no extinto estado da Guanabara era 'guanabarino', carioca é o gentílico daqueles que nascem na cidade do Rio de Janeiro. Tenho quase certeza que o dicionarista não está equivocado quanto a definição de 'fluminense' para aqueles nascidos no estado do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir
  5. Acho que muitos procuram a identidade do povo fluminense , sendo que eu ainda acho que esta foi roubada pelos cariocas. Ser carioca hj é ter os atributos dos fluminenses! #PRONTOFALEI!

    ResponderExcluir
  6. Só pra dar uma situada geral aqui, o extinto estado da guanabara é hoje o atual municipio do Rio de Janeiro, onde havia a cidade estado, o estado do rio de janeiro, sempre existiu, apenas lhe fora anexado o municipio do antido distrito federal. o equivoco entre fluminense e carioca esta na origem etimologica desde a denominaçao tupi!

    ResponderExcluir
  7. Papa Goiaba ^^ eu sou

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que todos que nascem na cidade do Rio de Janeiro e carioca.
    Eu nasci no Rio moro na baixada e sou carioca não abro não disso.

    ResponderExcluir
  9. Houve um erro no artigo, apenas o natural de Vitória é que é capixaba, quem nasce no Espírito Santo é espírito-santense. A confusão entre um e outro é coisa recente. Deve-se a uma ação de marketing de um canal de televisão local na década de oitenta. Na época, os canelas-verdes de Vila Velha protestaram veementemente, mas, depois amainaram, devido a perda de identidade regional, em razão de maciça migração de outros estados.

    ResponderExcluir
  10. Na verdade, a confusão se deve ao fato de que o gentílico fluminense foi criado por um decreto, mais especificamente de D. Luis de Vasconcelos, em 1783. Enquanto que o carioca emergiu da cultura popular, e ganhou o Brasil no século XIX. Até os primórdios do século XX, nem a elite da cidade do Rio, então capital do Brasil, se dizia "carioca". Carioca era um apelido da população pobre que buscava algo nas fontes da cidade (muitas delas alimentadas pelo rio carioca através do Aqueduto da Carioca ou Arcos da Lapa). Tanto que o primeiro time de futebol do Brasil, o Clube de Regatas Fluminense, foi criado no bairro das Laranjeiras, zona sul da cidade do Rio, mas se chamava "fluminense" e não "carioca". Como a cidade do Rio sempre deteve o "monopólio" da cultura fluminense, mesmo tendo perdido o título de capital da Província do Rio em 1834 para a recém-criada Niterói, quando seus habitantes passaram a se dizer "cariocas" e não mais "fluminenses", a identidade fluminense perdeu a razão de ser porque todos os atributos do gentílico fluminense foram transferidos para o carioca, começando pelo sotaque, que deixou de ser "fluminense, e passou a ser carioca, mesmo sendo o mesmo em todos os 21 municípios da Baía de Guanabara, e das cidades das Baixadas Litorâneas, da Região Serrana e da Costa Verde.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existiam dois Estados: O Estado do Rio de Janeiro, cuja capital era o município de Niterói e quem nascia lá era chamado de Fluminense ou Papa-Goiabas e o Estado da Guanabara, cuja capital era o município do Rio de Janeiro e quem nascia lá era chamado de Guanabarino óu Carioca (mais popular). Em 15 de Março de 1975, houve a fusão desses dois Estados, passando a formar um único Estado: Estado do Rio de Janeiro e o antigo Estado da Guanabara passou a ser a capital desse Estado, mudando o nome para municÍpio do Rio de Janeiro. Com essa fusão todos passaram a ser chamados de Cariocas, mas a expressão "Cariocas da gema do ovo" é usada para designar quem nasceu ou nasce no antigo Estado da Guanabara atual Município do Rio de Janeiro, pois já era chamado de Carioca independente da fusão. Mas o que importa é que todos nós somos Cariocas de coração...Simples assim!!!❤

      Excluir
    2. "Clube de Regatas Fluminense" nao, FLUMINENSE FOOTBALL CLUB.

      Excluir
  11. Carioca, fluminense ou papagoiaba, não importa. O que importa é ser uma pessoa de bem e boa moral.

    ResponderExcluir
  12. Machado de Assis tem uma coletânea de contos chamados"Contos Fluminenses" e esse termo aparece em diversas obras de autores renomados. Existiu ainda, na então capital, o "Teatro Lírico Fluminense", isto sem falar no Fluminense das Laranjeiras.Então, creio que o termo "carioca" passou a ser usado com maior frequência de décadas para cá, principalmente com o advento da grande mídia.

    ResponderExcluir
  13. Caros, "fluminense" tem origem no latim "flumen" = rio. Ninguém nascido no estado do Rio de Janeiro poderia ser chamado de "rio-janeirense" - cruz credo -, como são os rio-grandenses do sul ou do norte. Então, adotou-se o gentílico "fluminense" em substituição ao o que seria o horrível "rio-janeirense".

    ResponderExcluir
  14. Que interessante. La passa o Rio Carioca hoje submerso q desembica na praia de botafogo.

    ResponderExcluir
Postar um comentário
Postagem Anterior Próxima Postagem